Filho de cientista da NASA, cofundador do Google traz inovação do berço

O Google tem como missão fundamental "organizar as informações do mundo e torná-las mundialmente acessíveis e úteis". O objetivo da empresa também se confunde com o ideal de Sergey Brin, um de seus cofundadores e homem mais rico do mundo na faixa etária entre 30 e 39 anos, com patrimônio estimado em US$ 25,5 bilhões.

Brin é um entusiasta da difusão de conhecimento. Nascido em 1973, em Moscou, na já extinta União Soviética, viu sua família ser compelida a deixar o país devido à rejeição contra pessoas judias logo aos seis anos. Eles partiram em direção aos Estados Unidos, onde seu pai, Michael Brin, se tornou professor de matemática na Universidade de Maryland, e, sua mãe, Eugenia Brin, trabalhou como cientista para a Nasa até a aposentadoria.

Eugenia se desligou do trabalho com problemas sérios de saúde. Desde 1997, com 49 anos, ela vinha apresentando sintomas iniciais do mal de Parkinson. O problema de sua mãe fez com que Sergey Brin se tornasse um grande financiador das pesquisas contra a doença. Mais do que salvá-la, ele também sonha em resolver o problema antes que ele mesmo passe a sofrer do mesmo mal. Já foi confirmado que o cofundador do Google possui o gene causador do problema, com possibilidade de cerca de 50% de desenvolvimento da doença.

O caso serve para exemplificar uma posição bastante clara de Brin: a ignorância nunca é uma bênção. Perfil publicado em 2008 na revista the Economist descreve um episódio durante uma palestra com a presença do executivo. Questionado por um participante sobre a possibilidade de não fazer o exame para evitar se deparar com a doença, o cofundador disse que “conhecimento sempre é bom, e certamente sempre é melhor do que a ignorância”.

Sua vida no Google
ReproduçãoSergey Brin conheceu Larry Page em 1996, na Universidade de Stanford, onde concluiu seu mestrado e estudava para receber seu doutorado em ciência da computação, quando começaram a desenvolver sua ferramenta de buscas, conhecida, originalmente, como BackRub. Com o sucesso, passou a focar seus esforços neste sistema e acabou desistindo temporariamente dos estudos.

Em 1998, finalmente o Google foi oficialmente fundado como empresa, ainda funcionando na garagem de um amigo. A companhia viria a abrir seu capital em 2004, pelo valor de US$ 85 por ação (atualmente elas valem US$ 890). Sergey Brin ainda detém 8% de todas as ações da companhia.

Brin atuou entre 2001 e 2011 como presidente de tecnologia da empresa, posição da qual se desligou para assumir a vaga de diretor de projetos especiais. Ele é a mente por trás de projetos ambiciosos como o Google Glass e o carro que se dirige sozinho. O cofundador da empresa também comanda um laboratório de robótica da companhia e, em 2010, chegou a comparecer a um evento da Nasa remotamente, comandando um robô chamado “BrinBot” que transmitia imagens suas para os visitantes, enquanto enviava o vídeo para seu computador.

Outras atividades
ReproduçãoSergey Brin fundou, juntamente com Larry Page, a Google.org, um braço filantrópico da empresa, que investe no desenvolvimento de fontes de energia alternativas e renováveis. Ele também é acionista minoritário da Tesla Motors, empresa que desenvolve carros elétricos.

Brin também fez investimento de US$ 5 milhões em uma empresa de turismo espacial chamada Space Adventures, com o objetivo de participar de um voo em 2011.

Ele também aplica na empresa 23andMe, empresa de mapeamento genético fundada pela sua esposa Anne Wojcicki. Seu financiamento bancou uma iniciativa da companhia para providenciar testes gratuitos para pessoas com o mal de Parkinson.

fonte: Olhar Digital